O que exatamente é um déficit comercial?

2024-02-16
Resumo:

O défice comercial ocorre quando as importações superam as exportações, levando à desvalorização da moeda, à instabilidade económica e à concorrência industrial. O fosso entre os EUA desencadeia tensões sino-americanas, realçando o desequilíbrio económico global.

Nos últimos anos, a cooperação económica e comercial entre países não só alcançou uma situação vantajosa para todos, mas também desempenhou um papel indispensável no processo de globalização económica. Contudo, recentemente, o défice tornou-se um termo recorrente e agitou os ventos e as nuvens internacionais. Sendo a maior economia do mundo, os Estados Unidos mantêm um défice comercial há décadas. E o ciclo económico internacional resultante, mas também um impacto profundo no padrão económico mundial. Então, qual é o défice comercial?

trade deficit Qual é o significado de um déficit comercial?

Também é chamado para o dinheiro; ou seja, num determinado período de comércio exterior, as importações do país estrangeiro são maiores que as suas exportações. Especificamente, um défice comercial ocorre quando o valor total dos bens e serviços estrangeiros adquiridos por um país é superior ao valor total dos bens e serviços vendidos a outros países.


Vejamos um exemplo simples: existe um país chamado Rice Country que é rico em arroz. Outro país é chamado de país vegetal, que produz vegetais. Num mês, o país do arroz exportou 10.000 dólares de arroz para o país dos vegetais, mas importou 20.000 dólares de vegetais do país dos vegetais. Através de cálculos simples, você pode dizer que a balança comercial do país arrozeiro é um déficit de 10.000 dólares.


Assim como nos negócios, quando você compra mais do que vende, naturalmente perde dinheiro. Portanto, não é bom porque um défice crónico leva a uma saída constante de riqueza do país, o que afecta o desenvolvimento a longo prazo da saúde económica de um país.


Geralmente significa que um país tem uma maior procura externa e precisa de importar mais bens e serviços de outros países. Isto pode dever-se ao facto de a produção nacional não ser capaz de satisfazer a procura ou de os produtos estrangeiros terem preços mais competitivos, desencadeando assim um aumento da procura de bens e serviços importados.


Alguns países podem ser capazes de oferecer bens e serviços mais competitivos devido aos baixos custos de produção e outros países podem, portanto, preferir importar desses países. Isto pode levar a um aumento das importações e à criação de um défice comercial. Isto pode aumentar a sensibilidade do país às flutuações nos mercados internacionais, uma vez que o défice torna o país mais dependente de fornecimentos externos, uma vez que necessita de comprar mais a outros países.


As alterações nas taxas de câmbio podem afetar o comércio internacional quando a moeda de um país se valoriza. Pode então tornar os produtos exportados pouco competitivos no mercado internacional, conduzindo a um défice como resultado da redução das exportações. Ao mesmo tempo, um défice comercial a longo prazo pode levar a uma depreciação da moeda nacional. Isto se deve ao fato de que a compra de mais bens estrangeiros exige mais moeda estrangeira, o que leva a uma desvalorização relativa da moeda nacional.


A volatilidade e a incerteza na economia global também podem afectar os excedentes e os défices comerciais. Em tempos de crescimento económico mais forte, a procura de importações pode aumentar, conduzindo a um défice. Para compensar, o país poderá ter de atrair investimento estrangeiro ou contrair empréstimos. Isto pode levar ao aumento dos fluxos de capitais internacionais, afectando o nível de dívida e a estabilidade financeira do país.


Poderá ter impacto no emprego interno e na estrutura industrial. Dado que mais bens e serviços vêm do exterior, isso pode exercer pressão competitiva sobre as indústrias nacionais. Se as indústrias nacionais não conseguirem competir, isso poderá levar a um declínio no emprego interno e afectar a indústria transformadora nacional e outras indústrias.


O défice reflecte também um desequilíbrio na balança de pagamentos, que afecta a situação económica e a taxa de câmbio do país. Porque o país precisa de pagar mais dinheiro fora do país, isso significa que o país gasta mais dinheiro no comércio internacional, o que pode levar a uma diminuição das reservas cambiais e a um aumento da dívida internacional.


As diferenças no nível de investimento e poupança de um país também podem afectar as condições comerciais. Se um país tiver um baixo nível de poupança e uma elevada procura de investimento, isto pode levar a uma dependência das importações para satisfazer a procura, criando um défice. Em alguns casos, pode ser visto como um sinal de desequilíbrios económicos que exigem o ajuste de medidas políticas. Por exemplo, alguns países podem restringir as importações através da adopção de políticas proteccionistas para reduzir o défice.


Globalmente, o défice comercial é um fenómeno complexo que envolve a interacção de vários factores. A dinâmica e a complexidade do comércio internacional são tais que as causas dos défices podem variar em diferentes períodos e contextos, e as eventuais consequências não são as mesmas.

O que significa ter um défice comercial externo?
Implicações Impacto
Déficit comercial exterior As importações são maiores que as exportações, criando um défice comercial.
Declínio na taxa de câmbio Os défices podem levar à desvalorização da moeda nacional.
Emprego Os défices podem levar a uma pressão competitiva sobre as indústrias.

O que significa um déficit comercial?

Quando um país gasta mais nas suas importações de bens e serviços do que ganha nas suas exportações no comércio internacional, isso resulta numa conta comercial negativa. Em termos simples, isto significa que o país compra mais bens e serviços nas suas relações económicas com outros países do que o valor dos bens e serviços que lhes vende. Isso pode levar a uma série de implicações econômicas, monetárias e políticas.


Pode ter impacto na taxa de câmbio da moeda do país e pode levar à desvalorização da moeda. É quando o país precisa de pagar mais em moeda estrangeira, uma vez que as importações excedem as exportações, o que pode levar a uma diminuição das reservas em moeda estrangeira. Significa que o país precisa de pedir dinheiro emprestado a outros países para compensar a diferença de pagamento, levando a um aumento da dívida internacional. Se esta situação persistir, poderá levar a problemas de dívida.


Um défice prolongado pode levar a uma depreciação da moeda do país, o que desencadeia problemas de inflação e redução do poder de compra interno. Isto acontece porque é necessária mais moeda nacional para comprar mais bens estrangeiros, enquanto um número relativamente menor de exportações e uma procura relativamente menor podem levar à depreciação da moeda para impulsionar as exportações.


Pode também conduzir a uma distorção da procura interna em favor de bens estrangeiros, o que pode ter um efeito de repercussão nas indústrias nacionais, especialmente aquelas que competem directamente com as importações. O aumento das importações pode exercer pressões competitivas sobre as indústrias nacionais, causando dificuldades às empresas nacionais, por exemplo, provocando o declínio do emprego e dos lucros nas indústrias nacionais.


O declínio destas indústrias, por sua vez, pode ter um impacto negativo no emprego. Dado que mais bens e serviços vêm do exterior, isto pode reduzir as oportunidades de emprego interno. Ao mesmo tempo, um declínio na competitividade das indústrias nacionais pode resultar no desemprego dos trabalhadores domésticos. Estas, por sua vez, podem levar a um aumento do desemprego, o que pode aumentar as pressões sociais e políticas.


Também está normalmente associado a uma redução na produção nacional, uma vez que grandes quantidades de produção podem ser transferidas para países com custos de produção mais baixos. Isto pode enfraquecer a base industrial nacional. E pode desencadear controvérsia política e levar a um aumento do proteccionismo comercial, como a imposição de tarifas ou outras restrições comerciais para proteger as indústrias nacionais, como as tarifas impostas pelos Estados Unidos à China.


Os défices comerciais crónicos podem levar a pressões sobre a moeda nacional nos mercados cambiais internacionais e podem ser necessárias medidas para estabilizar a taxa de câmbio. Ao mesmo tempo, para cobrir o défice comercial, aumentará a dívida externa do país. Por sua vez, a necessidade do país de efectuar pagamentos de juros e de capital da dívida pode ter um impacto na posição fiscal do país.


É importante notar que o défice em si não é necessariamente negativo. Dado que o comércio internacional é complexo, muitos factores podem afectar a posição comercial. Em alguns casos, pode ser um reflexo do crescimento económico e da procura dos consumidores. Por exemplo, pode reflectir a procura de capital e investimento estrangeiro por parte de um país, o que pode ajudar a impulsionar o crescimento económico interno. O investimento estrangeiro pode trazer novas tecnologias, experiência de gestão e empregos.


E o défice também traz importações de bens baratos, o que pode reduzir o nível de preços internos em favor dos consumidores. E ajuda a controlar a inflação e a manter os preços relativamente estáveis. Entretanto, o défice permite que os consumidores nacionais desfrutem de bens e serviços mais diversificados de outros países. Isto enriquece as escolhas do mercado e melhora a qualidade de vida dos consumidores.


Em alguns casos, um défice comercial pode levar ao bem-estar dos consumidores e ao crescimento económico, mas noutros casos, pode levar a problemas de emprego e instabilidade económica. E os défices crónicos ou excessivos são motivo de preocupação e podem exigir ajustes nas políticas governamentais, uma situação que é particularmente evidente nos Estados Unidos.

U.S. Trade Deficit Déficit comercial dos EUA

O défice comercial dos EUA tem uma longa história e tem sido uma característica proeminente da história económica dos EUA, enraizada em múltiplos períodos históricos e contextos económicos globais. Desde o rescaldo da Segunda Guerra Mundial, os EUA, o único grande país na altura que não foi afectado pela guerra, emergiu rapidamente como o líder da economia global. Contudo, esta posição de liderança também moldou os défices comerciais crónicos dos EUA.


Nos primeiros anos do pós-guerra, outros países cujas economias foram severamente devastadas pela guerra tiveram de depender de importações provenientes dos Estados Unidos, o que permitiu aos Estados Unidos desfrutar de um excedente comercial. Durante a Guerra Fria, os EUA apoiaram a reconstrução económica dos países da Europa Ocidental do pós-guerra através do Plano Marshall, que prestou assistência em grande escala a estes países. No entanto, com a eclosão das guerras da Coreia e do Vietname, os EUA estacionaram tropas no estrangeiro e fizeram grandes compras, o que, juntamente com a descolagem económica da Europa e do Japão sob protecção militar dos EUA, levou a um aumento acentuado do excedente comercial dos EUA.


Em 1976, o comércio dos EUA passou de excedente para défice e o rácio défice/PIB subiu gradualmente, até 6% ou mais. O défice comercial do petróleo tornou-se a principal fonte do défice comercial dos EUA, representando em tempos uma proporção considerável do défice comercial total dos EUA. Além disso, o consumo interno excessivo e a poupança insuficiente, bem como as mudanças na estrutura industrial, tornaram-se as causas estruturais do défice.


O problema da poupança interna insuficiente manifestou-se no fenómeno de longa data de elevado consumo e baixa poupança nos Estados Unidos, que levou a importações excessivas. Mesmo depois da crise financeira internacional de 2008, esta tendência descendente não foi revertida e a taxa de poupança negativa no sector governamental aumentou ainda mais. O aumento resultante da macroalavancagem tem sido particularmente evidente nos sectores empresariais não financeiros e governamentais.


A hegemonia internacional do dólar confere aos Estados Unidos um papel especial no sistema económico global. O dólar é a moeda internacional mais importante do mundo, com uma parcela significativa das transações cambiais globais, das reservas cambiais do banco central e dos pagamentos de transações globais. No entanto, isto levou ao dilema de Triffin, segundo o qual os Estados Unidos precisam de manter um défice para exportar o dólar. Mas isto poderia prejudicar a credibilidade do dólar e foi responsável pela crise do dólar na década de 1960.


O défice comercial dos EUA existe globalmente, como mostra o gráfico acima, onde o vermelho indica os países com os quais os EUA têm um défice comercial e o verde indica os países com os quais os EUA têm um excedente comercial. Como pode ser visto, os EUA têm o maior défice comercial com a China e o maior excedente comercial com Hong Kong.


Neste caso, os Estados Unidos querem reduzir o défice, e a resultante guerra comercial entre a China e os Estados Unidos foi amplamente divulgada em todo o mundo. Desde 2001, a China introduziu grandes quantidades de investimento estrangeiro e atraiu empresas internacionais para estabelecerem fábricas dentro das suas fronteiras, criando um padrão global com a China como centro de produção e os Estados Unidos como centro de mercado.


Isto levou a uma mudança na balança comercial. Por exemplo, depois de o Japão e Taiwan investirem e estabelecerem fábricas no continente, as exportações chinesas de bens intermédios e de capital para o continente tornaram-se gradualmente a fonte de exportações para os Estados Unidos. Desde então, o défice comercial entre os EUA e a China tem sido responsável por uma parte crescente do défice total dos EUA, passando de 26,6 por cento de 2002 a 2008 para 44,8 por cento de 2009 a 2018 na era pós-crise.


Os rigorosos controlos de exportação impostos pelos Estados Unidos ao comércio com a China são uma das principais razões para o desequilíbrio comercial bilateral. O comércio de produtos de alta tecnologia e bens de recursos escassos tem recebido especial atenção. Se o grau de controlo das exportações dos EUA sobre a China for relaxado, o défice poderá ser reduzido. Globalmente, o desequilíbrio comercial entre os EUA e a China é afectado tanto pela estrutura económica como pela configuração industrial, bem como por uma combinação de factores como a política e a metodologia estatística.


No entanto, a China e os Estados Unidos não conseguiram chegar a um acordo de cooperação sobre esta questão e surgiram disputas comerciais sobre o assunto. Uma das principais medidas foi a imposição de tarifas, que não só desafiou os sistemas económicos da China e dos Estados Unidos, mas também desencadeou o realinhamento das cadeias de abastecimento e um aumento da incerteza comercial global à escala global.


É, portanto, importante notar que o problema dos desequilíbrios comerciais internacionais não é um problema apenas dos Estados Unidos. No contexto da globalização, os países são interdependentes, com os países deficitários a necessitarem de poupar os seus excedentes e os Estados Unidos a necessitarem de manter o seu défice para preservar a sua própria economia. Após a crise financeira de 2008, os mercados emergentes e os países em desenvolvimento começaram a fortalecer os seus próprios sistemas económicos, criando um novo padrão de desequilíbrios económicos globais.


Embora o sistema económico internacional precise de ser reequilibrado no contexto dos desequilíbrios económicos globais, o problema do défice comercial dos EUA ainda existe. O seu rácio em relação ao PIB permanece elevado, indicando que a questão comercial foi profundamente integrada na estrutura económica dos Estados Unidos. A forma de resolver este problema requer os esforços conjuntos da comunidade internacional para fazer ajustamentos económicos globais, a fim de alcançar um desenvolvimento económico global mais equilibrado e sustentável.

Comércio China-EUA 2023
Mês Exportações Importações Equilíbrio
23 de janeiro 13092,6 38252,9 -25160,3
23 de fevereiro 11618.6 30620,6 -19002
Março-23 14181.1 30789,7 -16608,6
23 de abril 12794,4 33077.3 -20283
Maio-23 10679.2 35890,6 -25211,5
23 de junho 10223.1 34334.1 -24111.1
23 de julho 10659,5 36099,5 -25440
23 de agosto 10765,3 36724,7 -25959,4
23 de setembro 11834,6 40282 -28447,4
23 de outubro 16046,5 41570,7 -25524,2
23 de novembro 13903,9 35494,9 -21591.1
TOTAL 2023 135798,7 393137.1 -257338,4

Isenção de responsabilidade: Este material é apenas para fins de informação geral e não se destina a ser (e não deve ser considerado como sendo) aconselhamento financeiro, de investimento ou outro no qual se deva confiar. Nenhuma opinião dada no material constitui uma recomendação da EBC ou do autor de que qualquer investimento, título, transação ou estratégia de investimento específico seja adequado para qualquer pessoa específica.

Análise de valor de mercado e ações da Berkshire Hathaway

Análise de valor de mercado e ações da Berkshire Hathaway

A Berkshire Hathaway, com seus diversos investimentos, gestão sólida e alta capitalização de mercado global, é confiável pela filosofia de valor de Buffett e Munger.

2024-06-21
Análise da profundidade do mercado e sua aplicação

Análise da profundidade do mercado e sua aplicação

A profundidade do mercado mostra as quantidades e os preços dos pedidos, oferecendo insights sobre a dinâmica do mercado, auxiliando nas decisões comerciais, na redução de custos e na gestão de riscos.

2024-06-21
O conceito de liquidez bancária e avaliação de risco

O conceito de liquidez bancária e avaliação de risco

A liquidez bancária é a capacidade de mobilizar ativos para fazer face aos levantamentos e pagamentos dos clientes, avaliada por métricas como a cobertura e os rácios de caixa. ​

2024-06-21