O que significa um superávit comercial?

2024-02-02
Resumo:

Um excedente comercial é As exportações que excedem as importações sinalizam força económica, mas um excedente excessivo pode levar à valorização da moeda, impactando a competitividade das exportações e desencadeando guerras comerciais. Os ajustamentos políticos são cruciais para o equilíbrio.

Na arena do comércio internacional, o desempenho económico de um país está muitas vezes intimamente ligado às suas relações comerciais com outros países. Um dos conceitos-chave é o excedente comercial, um termo que aparece frequentemente nas notícias económicas e nas discussões políticas. Por exemplo, ao ler notícias económicas, é comum ouvir que a Europa e os Estados Unidos as utilizam frequentemente para forçar uma valorização do renminbi. Então, o que significa exatamente um superávit comercial?

Trade Surplus

O que é um superávit comercial?

Um excedente comercial é uma situação em que o valor total das exportações de bens e serviços de um país excede o valor total das suas importações de bens e serviços no comércio internacional. Em suma, significa que a quantidade de moeda estrangeira ou de activos estrangeiros que um país ganha através das exportações excede a quantidade de moeda estrangeira ou de activos estrangeiros que paga através de importações durante um determinado período de tempo.


Suponhamos que a China ganhe 100 dólares vendendo bens para o mundo, mas a China pega o dinheiro e compra em todo o mundo e gasta apenas 80. Isto deixa 20 dólares como excedente. Simplificando, um superávit comercial ocorre quando as exportações são maiores que as importações. É quando as divisas ou os activos estrangeiros que o país adquire com as suas exportações excedem as divisas ou os activos estrangeiros que paga através das suas importações, criando uma balança comercial positiva.


Tem vantagens e desvantagens, mas no geral é mais benéfico porque, afinal de contas, está realmente a ser ganho dinheiro real. E a menos que todo o dinheiro ganho esteja escondido debaixo de uma almofada, todo o dinheiro ganho com as exportações vai para o país e para o seu povo. O simples facto de estar envolvido na economia doméstica provoca o crescimento da economia local. A procura interna, em particular, está associada ao facto de, devido ao efeito multiplicador, o sistema bancário poder multiplicar a libertação de capital para acelerar o desenvolvimento económico.


Especificamente, surge porque o valor dos bens e serviços exportados pelo país é superior ao valor das suas importações. Isso significa que ao vender bens e serviços a outros países, o país consegue um superávit no mercado internacional. E este excedente não só ajuda a aumentar as suas reservas cambiais e a capacidade de pagamento internacional, mas também favorece uma imagem internacional melhorada.


O comércio é uma transação com outro país, pelo que o seu excedente pode fazer com que o país aumente as suas reservas cambiais. É claro que a vantagem de aumentar as reservas cambiais é que estas podem deter uma variedade de moedas diferentes e ter um risco cambial ligeiramente diversificado. Além disso, também ajuda a melhorar a imagem e a credibilidade internacional. Uma boa imagem internacional pode, evidentemente, atrair mais fluxos de capital estrangeiro.


Por exemplo, desde 2000. A China tem exportado tecidos, eletrodomésticos, brinquedos, etc., para países de todo o mundo, a fim de obter excedentes comerciais em anos sucessivos, para que as reservas cambiais da China continuem a aumentar e a riqueza aumente. A China tornou-se assim o maior país credor do mundo e a sua capacidade premium na arena internacional também aumentou enormemente. Em 2015, a China liderou o Banco Asiático de Investimento, a Iniciativa Cinturão e Rota, e assim por diante. Este é o fruto disso.


Não são apenas os números que fazem a diferença; são também os mercados monetários e cambiais do país que são profundamente afetados. Através de um excedente comercial, um país pode acumular mais reservas cambiais, afectando a oferta e o valor da sua moeda. Uma vez que o dólar foi dissociado do ouro, a grande maioria das moedas flutua livremente no mercado cambial e os preços são determinados pelo mercado. Um excedente comercial faz com que o país tenha divisas e reservas suficientes para, quando apropriado, ajustar o mercado cambial para tornar a moeda nacional mais estável.


O superávit comercial, como uma etapa necessária para os países em desenvolvimento, é geralmente considerado um sinal de força econômica e competitividade porque mostra que os produtos e serviços do país são populares no mercado internacional, mas seu tamanho e impacto também causaram uma série de discussões e controvérsias no sistema econômico internacional. Isto porque tais excedentes podem dar origem a pressões para a apreciação da moeda do país à medida que a procura da sua moeda aumenta noutros países. Isto pode ter implicações de longo alcance para as exportações e importações do país, para o crescimento económico e para a política monetária.

Fórmula do superávit comercial
Projetos Quantidade (em unidades) Explicação
Exportar X Valor total de bens e serviços exportados
Importar M Valor total de bens e serviços importados
Excedente X−M Exportações - Importações

Apreciação ou depreciação do excedente comercial da moeda local

Geralmente, isso leva à pressão para a valorização da moeda local. Quando um país tem um grande excedente comercial, significa que as suas exportações excedem as suas importações, criando compradores estrangeiros que exigem comprar a moeda nacional. O aumento da procura provoca mais pressão para a valorização da moeda nacional. Como mais compradores estrangeiros estão dispostos a comprar a moeda nacional, isto pode levar a um aumento na taxa de câmbio.


Quando um país ganha mais divisas através das exportações do que paga através das importações, tem mais moeda própria no mercado cambial. Além disso, o valor relativo da moeda nacional pode aumentar como resultado do aumento da procura por parte de outros países que compram a moeda nacional para pagar as importações.


O processo de valorização pode ocorrer como resultado da compra da moeda nacional por investidores estrangeiros para realizar transações ou como resultado de países estrangeiros pagarem pela sua própria moeda através da compra das suas próprias exportações. Como resultado da valorização da moeda nacional, os produtos nacionais tornam-se mais caros no mercado internacional, o que pode levar à diminuição das exportações. Contudo, o preço dos bens importados pode cair, aumentando assim a procura interna de bens importados.


A valorização da moeda nacional tem um efeito direto na taxa de câmbio. Uma valorização da moeda nacional pode tornar os bens exportados mais caros no mercado internacional, reduzindo assim a procura de exportações nacionais. Por outro lado, os bens importados podem tornar-se mais acessíveis. Ao mesmo tempo, aumenta a acumulação de reservas cambiais. Isto pode ser usado para preservar a capacidade internacional do país para pagar e lidar com défices comerciais ou outros desafios económicos.


Por outras palavras, um excedente comercial valoriza a moeda nacional. No entanto, isto nem sempre é um efeito positivo e pode também ter um impacto negativo no sector exportador à medida que os seus produtos se tornam mais caros no mercado internacional. Ao mesmo tempo, alguns países podem ajustar o seu efeito sobre a moeda através da política monetária. Por exemplo, os bancos centrais podem adoptar políticas para intervir na taxa de câmbio para evitar que as suas moedas se valorizem demasiado rapidamente ou excessivamente, evitando ao mesmo tempo os efeitos negativos da valorização excessiva na economia.


Os efeitos nocivos de um excedente comercial excessivo

Embora seja frequentemente visto como uma indicação de uma economia forte e competitiva, não significa necessariamente que um excedente comercial maior seja melhor. Os excedentes excessivos podem colocar uma série de problemas e desafios e, por isso, precisam de ser considerados num contexto económico holístico.


Excedentes excessivos podem levar a uma valorização da moeda nacional, o que pode encarecer as exportações nos mercados internacionais. Embora a valorização possa reduzir o custo das importações, também pode tornar as exportações mais caras, o que pode prejudicar a competitividade das indústrias exportadoras.


Ao mesmo tempo, um excedente demasiado grande pode aumentar significativamente a moeda de reserva cambial, o que pode levar a uma pressão de apreciação ou à expectativa de valorização. Esta expectativa atrairá então entradas de capital estrangeiro, valorizando ainda mais a moeda. A valorização da moeda nacional sob controlo era originalmente boa, mas a valorização demasiado rápida afectará as exportações e até provocará inflação.


Resultando numa grande acumulação de reservas cambiais, a forma de gerir eficazmente essas reservas tornou-se um desafio. Afinal, este tipo de pressão cambial também poderá ter um impacto negativo nas indústrias nacionais. Ao mesmo tempo, poderá também desencadear tensões com parceiros comerciais, especialmente se outros países considerarem que isso resulta de práticas comerciais desleais. Isto poderia levar a tensões comerciais ou mesmo a uma guerra comercial. Por exemplo, tem havido uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China devido ao grande fosso comercial. Tal como mostrado no gráfico abaixo, desde que os EUA impuseram tarifas sobre as importações chinesas, as importações dos EUA provenientes da China (linha vermelha) ainda são mais baixas do que antes (linha tracejada).

Trade wars brought about by trade surpluses Os excedentes comerciais trazem consigo atritos com os países deficitários, trazendo consigo anti-dumping e apreciação forçada da moeda. Superávits longos e grandes certamente atrairão a ira pública; afinal de contas, um país tem uma grande quantidade de dinheiro enquanto o outro lado perde dinheiro todos os anos, pelo que devem ser tomadas medidas anti-dumping e outras. Em 2009. a zona euro para todos os países continuou a ter défices comerciais, especialmente com a China. A zona euro para a China para implementar uma série de ações anti-dumping, que tem as exportações de parafusos da China cobrados grandes direitos anti-dumping.


Sem o abastecimento da China, há naturalmente mais procura de parafusos, incluindo outros bens comercializados, na zona da UE. Assim, procurando o abastecimento da própria região da UE, o défice comercial da zona euro deverá ser aliviado. O lado chinês dos exportadores nacionais de parafusos certamente não pode arcar com o pesado imposto; As exportações de parafusos da China diminuíram significativamente. Com esta série de ações anti-dumping, juntamente com a adesão de outros países deficitários, como os Estados Unidos, o excedente comercial da China tem vindo a diminuir até à data.


A elevada dependência dos excedentes comerciais pode ter mascarado problemas estruturais da economia interna, tais como a ineficiência, a falta de inovação e o consumo interno insuficiente. Isto poderia levar a desequilíbrios e vulnerabilidades na economia interna e fazer com que o país perdesse oportunidades de ajustamento e reforma.


Pode também levar a uma dependência excessiva das exportações, o que nunca é garantido quando a maior parte do PIB provém das exportações, representando o destino do país nas mãos de outro país. E as políticas introduzidas pelo país em tempos de recessão económica não funcionam necessariamente, como evidenciado pelo Japão há 30 anos.


Na verdade, já em 1820 dC, a Grã-Bretanha conseguiu transformar o seu défice comercial num excedente. Nessa altura, para se livrar do seu défice comercial, a Grã-Bretanha enviou ópio da sua colónia, a Índia, para a China e, como resultado, o ópio foi importado para a China em grandes quantidades. O resultado na história é conhecido por todos: eventualmente a China gastou dinheiro para comprar ópio em grandes quantidades, e quem fez o dinheiro acabou por ser a Grã-Bretanha.


Poderá também tornar o país mais dependente dos mercados externos e tornar a sua economia mais sensível às flutuações económicas globais. Isto torna o país mais vulnerável às flutuações nas economias de outros países. E os excedentes em alguns países podem ter um impacto negativo noutros, desencadeando tensões e instabilidade na economia global.


Assim, embora os excedentes comerciais sejam frequentemente vistos como um sinal de uma economia forte, a sua dimensão excessiva pode conduzir a uma série de problemas. Os decisores políticos geralmente precisam de tomar medidas para garantir que a dimensão é razoável e não conduz a consequências económicas e comerciais indesejáveis.

Impacto do superávit comercial
Fatores de influência Descrição Descrição
Crescimento econômico Promove o crescimento, aumenta a produção, cria empregos. Impacto positivo
Taxa de câmbio Pode levar à valorização da moeda, impactando o comércio. Impacto negativo
Estrutura da Indústria Pode estimular a reestruturação económica centrada nas exportações. Afeta a indústria
Emprego As exportações criam empregos, mas existem riscos de excedentes. Possível impacto positivo
Relações comerciais Superávits excessivos podem desencadear tensões comerciais. Possível impacto negativo

Isenção de responsabilidade: Este material é apenas para fins de informação geral e não se destina a ser (e não deve ser considerado como sendo) aconselhamento financeiro, de investimento ou outro no qual se deva confiar. Nenhuma opinião dada no material constitui uma recomendação da EBC ou do autor de que qualquer investimento, título, transação ou estratégia de investimento específico seja adequado para qualquer pessoa específica.

Análise de ações e insights de investimento da Meta

Análise de ações e insights de investimento da Meta

As finanças sólidas e os negócios diversificados da Meta tornam as suas ações atraentes para investidores de longo prazo, apesar da concorrência e das mudanças no mercado.

2024-06-14
Paridade de poder de compra: teoria básica e aplicativos

Paridade de poder de compra: teoria básica e aplicativos

A teoria da paridade do poder de compra utiliza uma avaliação da taxa de câmbio baseada nos preços, mas pode falhar devido a custos e políticas. Entenda suas limitações cambiais.

2024-06-14
Causas, efeitos e respostas à estagflação

Causas, efeitos e respostas à estagflação

A estagflação é a inflação resultante da escassez da oferta e da queda da procura, causando abrandamentos económicos e aumentos de preços, resolvidos através da política monetária.

2024-06-14