Causas, efeitos e respostas à estagflação

2024-06-14
Resumo:

A estagflação é a inflação resultante da escassez da oferta e da queda da procura, causando abrandamentos económicos e aumentos de preços, resolvidos através da política monetária.

Nos últimos anos, a estagflação tornou-se um tema de grande preocupação na comunidade económica e em Wall Street. Em particular, os dados económicos dos EUA recentemente divulgados para o primeiro trimestre mostraram uma taxa de crescimento económico inferior ao esperado, enquanto o Índice de Preços no Consumidor (PCE) excedeu acentuadamente as expectativas do mercado, suscitando preocupações sobre a orientação futura da economia dos EUA. Estes sinais reacenderam a discussão sobre uma possível “estagflação” (estagflação), que, a acontecer, poderá ter um grave impacto na economia e nos mercados financeiros. Agora vamos explorar as causas, efeitos e estratégias para lidar com a estagflação.

Stagflation O que significa estagflação?

A estagflação, abreviatura de "inflação estagnada", é um fenómeno económico que se refere a um aumento sustentado da taxa de inflação face a um crescimento económico estagnado ou recessivo. Este fenómeno económico é frequentemente considerado anormal porque a estagnação económica e a inflação são geralmente mutuamente exclusivas.


A estagnação económica refere-se a um abrandamento ou estagnação total do crescimento económico, que pode até ser negativo (recessão), deixando a taxa de crescimento do produto interno bruto (PIB) abaixo da média de longo prazo ou mesmo negativa. Esta situação resulta na redução do investimento empresarial e na fraca procura dos consumidores, conduzindo a um aumento do desemprego e a uma menor rentabilidade das empresas. A característica central da estagnação económica é um enfraquecimento acentuado da actividade económica, com efeitos amplos e de longo alcance no desempenho económico global.


A inflação, por outro lado, é um fenómeno económico em que existe um aumento sustentado do nível de preços, que normalmente pode ser refletido por indicadores como o Índice de Preços no Consumidor (IPC) ou o Índice de Preços no Produtor (IPP). Quando a oferta monetária aumenta, os custos aumentam (por exemplo, custos de energia e matérias-primas), a procura excede a oferta, etc., isto leva a um aumento geral dos preços dos bens e serviços no mercado, afectando assim o poder de compra dos consumidores e a estrutura de custos das empresas.


Tanto a estagnação económica como a inflação têm implicações económicas e sociais de longo alcance, tais como o fenómeno do elevado desemprego. Isto acontece porque quando o crescimento económico está estagnado ou negativo, as empresas ficam sob a pressão da redução da procura no mercado e da queda das vendas. Para reduzir custos ou adaptar-se às mudanças do mercado, podem recorrer a despedimentos ou deixar de recrutar novos funcionários. Esta situação leva a um aumento da taxa de desemprego, tornando o mercado de trabalho mais apertado.


E uma elevada taxa de desemprego não só afecta a situação económica dos indivíduos e das famílias, mas também pode minar ainda mais a confiança dos consumidores e reduzir os gastos dos consumidores, inibindo ainda mais a recuperação da vitalidade económica global. Os decisores políticos geralmente esforçam-se por estimular o emprego e promover o crescimento económico através de várias políticas económicas para aliviar os problemas socioeconómicos provocados pelo elevado desemprego.


Além disso, a estagflação é ainda um problema económico mais complexo e intratável porque é normalmente difícil para os instrumentos tradicionais de política económica lidarem com a inflação elevada e a estagnação económica ao mesmo tempo. Por exemplo, o controlo da inflação exige normalmente o aumento das taxas de juro, o que pode atenuar ainda mais o crescimento económico, enquanto medidas para estimular o crescimento económico, tais como a redução das taxas de juro ou o aumento da despesa pública, podem exacerbar a inflação.


Na década de 1970, as economias ocidentais enfrentaram uma estagflação significativa, principalmente devido aos aumentos acentuados dos preços da energia desencadeados por duas crises petrolíferas. Estas crises levaram a aumentos significativos de custos, especialmente para os países dependentes do petróleo importado, e os custos de produção e transporte aumentaram acentuadamente, provocando pressões inflacionistas generalizadas.


As empresas confrontadas com elevados custos de energia viram os seus custos de produção aumentar e os lucros sofrerem, levando à redução do investimento, à menor produtividade e até a despedimentos e encerramentos. Juntos, estes factores levaram a um crescimento económico mais lento ou mesmo negativo, exacerbando o problema da estagnação económica. Os choques duplos de inflação elevada e estagnação económica agravaram ainda mais a instabilidade socioeconómica, incluindo o aumento do desemprego, a agitação social e o aumento da pressão política.


Os decisores políticos tiveram de encontrar um equilíbrio entre a estabilização da inflação e a promoção do crescimento económico e adoptaram uma série de medidas de política monetária e fiscal para enfrentar os desafios. Esta experiência afectou profundamente o sistema económico ocidental da época, provocando um repensar e uma reorientação da política económica.


Em suma, a estagflação é considerada pelos economistas como um sério dilema económico, uma vez que não só tem um sério impacto no crescimento económico e nas condições de emprego, mas também pode ter efeitos negativos de longo alcance na estabilidade social, política e fiscal e é um grande desafio que precisa de ser dada grande atenção e abordado pelos decisores políticos económicos.

Stagflation US 1970s (rising inflation) Quais são as consequências da estagflação?

A coexistência de inflação e estagnação económica pode ter consequências multifacetadas com implicações económicas e sociais de longo alcance. Por exemplo, a estagnação do crescimento económico é muitas vezes acompanhada por múltiplos impactos negativos, incluindo a redução do investimento e a produção ineficiente.


Em primeiro lugar, as empresas optam frequentemente por reduzir o investimento face a uma inflação elevada e a perspectivas económicas incertas. Neste caso, as empresas podem reduzir os investimentos em novos equipamentos, inovação tecnológica e expansão do mercado, que são essenciais para o crescimento e a produtividade a longo prazo da economia.


Em segundo lugar, a estagnação económica também pode levar a um declínio na produtividade. Dado que as empresas não têm incentivos para expandir e inovar, podem reduzir o seu investimento na melhoria da produtividade. A estagnação da produtividade não afecta apenas a competitividade das empresas, mas também limita o potencial e a capacidade de crescimento da economia global.


O aumento do desemprego é uma consequência importante da estagnação do crescimento económico, principalmente sob a forma de redução das empresas e de desemprego de longa duração. Em primeiro lugar, a estagnação do crescimento económico levou a um declínio na rentabilidade das empresas, e as empresas que enfrentam pressões de custos tendem a tomar medidas como despedimentos ou redução de contratações para controlar as despesas. Neste caso, os despedimentos empresariais não só afectam a subsistência dos trabalhadores individuais, mas também enfraquecem ainda mais o consumo e a procura na economia em geral.


Em segundo lugar, o aumento do desemprego pode levar a um agravamento do problema do desemprego de longa duração. O desemprego de longa duração pode levar à deterioração da situação financeira de um indivíduo e ao aumento dos problemas de saúde mental, ao mesmo tempo que aumenta a agitação social e a desigualdade. Os indivíduos desempregados enfrentam perturbações de rendimento, risco de dívida e desafios de saúde mental, o que pode levar a um aumento do descontentamento social, ao aumento das necessidades de bem-estar e à distribuição desigual de rendimentos, entre outros problemas.


O aumento dos custos de vida é uma consequência importante da inflação elevada, tanto em termos de aumentos de preços como de impacto nas necessidades básicas. Em primeiro lugar, a inflação elevada leva a um aumento contínuo dos preços, reduzindo assim o poder de compra real da população. Os residentes precisam de gastar mais dinheiro nos mesmos bens e serviços, o que afecta directamente o seu nível de vida e o seu poder de compra.


Em segundo lugar, os aumentos de preços dos bens de primeira necessidade, especialmente alimentos e energia, têm um impacto directo nas necessidades básicas dos residentes. Os aumentos de preços nestas categorias podem obrigar os residentes a fazer ajustes nas suas despesas diárias ou a procurar substitutos, afectando ainda mais a qualidade de vida e a pressão económica.


A instabilidade social é uma das graves consequências da inflação elevada e da estagnação económica, manifestando-se de duas formas: aumentando a disparidade de rendimentos e aumentando a pressão sobre o bem-estar social. Em primeiro lugar, a inflação elevada e o aumento do desemprego levaram ao aumento das disparidades de rendimento, tornando a estratificação social mais pronunciada. Os grupos com rendimentos mais elevados podem ser capazes de fazer face à inflação devido à sua maior resiliência financeira, enquanto os grupos com rendimentos mais baixos têm maior probabilidade de cair na pobreza e em dificuldades económicas, e esta lacuna pode levar a um aumento do descontentamento social e até desencadear agitação e instabilidade social. .


Em segundo lugar, a pressão sobre o bem-estar social aumenta à medida que o desemprego aumenta. O governo normalmente precisa de aumentar as despesas de assistência social para ajudar as pessoas afectadas pelas dificuldades económicas, incluindo os desempregados e os pobres. Esta situação exige que o governo afecte mais recursos para apoiar a rede de segurança social, mas também aumenta a carga fiscal e o défice orçamental, o que, por sua vez, afecta a estabilidade e a sustentabilidade das finanças públicas.


A pressão fiscal é uma consequência importante da estagnação económica e da inflação elevada. A estagnação económica leva à diminuição dos lucros das empresas e ao aumento do desemprego, reduzindo assim as receitas fiscais, enquanto o governo pode necessitar de aumentar os gastos, tais como na segurança social e no investimento em infra-estruturas, a fim de estimular a economia, aumentando ainda mais o défice fiscal. Com uma inflação elevada, o governo poderá ter de aumentar o endividamento para manter a despesa pública, mas isto também levará a um aumento do nível da dívida pública, aumentando o peso da dívida e o risco fiscal.


Tudo isto, por sua vez, torna um grande desafio para os decisores políticos enfrentar a estagflação. Em primeiro lugar, têm de encontrar um equilíbrio entre controlar a inflação e estimular o crescimento económico, o que é muitas vezes um dilema político. As ferramentas políticas dos governos e dos bancos centrais podem ser limitadas neste contexto, uma vez que a tomada de algumas medidas pode ter um impacto negativo no outro lado da equação.


Em segundo lugar, o risco de fracasso político também é elevado, uma vez que políticas inadequadas ou excessivas podem agravar ainda mais o problema da estagflação e levar a uma deterioração da situação económica. Por conseguinte, os decisores políticos precisam de avaliar e ajustar cuidadosamente as suas políticas para fazer face ao ambiente económico complexo e garantir a estabilidade económica e o crescimento sustentado.


No início da década de 1970, a economia global enfrentou pressões duplas: um aumento nos preços da energia como resultado da crise do petróleo e o problema do aumento dos preços globais das matérias-primas e da inflação generalizada. Juntos, estes dois factores levaram a múltiplos desafios para a economia dos EUA, especialmente após a turbulência económica global do início da década de 1970. A estagflação (ou seja, a coexistência de estagnação económica e inflação elevada) tornou-se uma característica proeminente da história económica dos EUA na década de 1970, com implicações económicas e sociais de longo alcance.


A partir de 1972, apesar de alguns sinais de recuperação económica a curto prazo nos Estados Unidos e noutras economias ocidentais, o problema da inflação não foi eficazmente resolvido. Os Estados Unidos adoptaram medidas restritivas de política monetária durante este período, numa tentativa de conter a inflação, mas isto também levou a um abrandamento do crescimento económico e a um aumento do desemprego. Em particular, durante a segunda crise petrolífera resultante da revolução iraniana de 1979, os preços do petróleo subiram novamente, exacerbando ainda mais o problema da inflação e tornando a situação económica ainda mais complexa e difícil.


Entretanto, o impacto da estagflação na economia e nos mercados financeiros tornou-se mais pronunciado. A economia enfrentou vários desafios durante este período, incluindo crescimento mais lento, desemprego elevado e inflação elevada. As empresas reduziram frequentemente o investimento face ao aumento dos custos, levando a um abrandamento da actividade económica e, apesar das políticas monetárias adoptadas pelo banco central, tiveram um efeito limitado na mitigação efectiva da pressão descendente sobre a economia. Os mercados financeiros também são frequentemente voláteis, com os investidores a preferirem activos seguros, como o ouro, devido às perspectivas económicas incertas. Isto, por sua vez, levou a um declínio nos mercados accionistas e a um aumento dos rendimentos das obrigações, com um aumento significativo da volatilidade do mercado.


A estagflação tem um impacto negativo significativo no clima de investimento. Em primeiro lugar, um ambiente económico instável mina a confiança dos investidores, e a inflação elevada e a incerteza económica aumentam as preocupações do mercado, exacerbando as saídas de capitais, o que por sua vez aumenta a volatilidade económica e do mercado. Em segundo lugar, um ambiente de inflação e taxas de juro elevadas aumenta os custos de empréstimos para empresas e indivíduos, com as empresas a pagarem taxas de juro mais elevadas para financiar operações e expansão e os indivíduos a enfrentarem custos de empréstimos mais elevados, o que pode atenuar o consumo e a procura de empréstimos, limitando o investimento e o desenvolvimento das empresas e afectando a economia global. crescimento econômico.


As consequências da estagflação são multifacetadas, incluindo impactos económicos directos, como a estagnação do crescimento económico, o aumento do desemprego e o aumento do custo de vida, e impactos indirectos, como a instabilidade social, as pressões fiscais e a deterioração do clima de investimento. As causas de tais crises são geralmente complexas e incluem desequilíbrios entre a procura e a oferta, falhas na política monetária, volatilidade nos preços internacionais das matérias-primas e o impacto de factores políticos e geopolíticos. A interacção destes factores conduz a perturbações e desestabilização do sistema económico, o que por sua vez tem consequências graves.

Stagflation Gold Performance Quais são as causas da estagflação?

Normalmente, a estagflação é considerada uma situação económica anormal e desafiante que é acompanhada tanto pela inflação como pela estagnação económica, criando múltiplas dificuldades e tensões nas operações económicas. Não existe um verdadeiro consenso entre os economistas sobre as suas causas; em vez disso, algumas conclusões são tiradas de experiências passadas.


P or exemplo, gargalos de fornecimento e pressões de custos. estrangulamentos na oferta e pressões sobre os custos Os estrangulamentos na oferta referem-se a problemas na cadeia de abastecimento ou à oferta insuficiente de determinados recursos essenciais, o que pode levar a limitações na capacidade de produção de um produto e, assim, aumentar o seu preço. Por exemplo, se o fornecimento de uma determinada matéria-prima for interrompido devido a questões geopolíticas ou desastres naturais, as empresas terão dificuldade em obter matérias-primas suficientes e, por sua vez, terão de aumentar o preço dos seus produtos para manter a produção e os lucros. .


A inflação de custos ocorre quando as empresas têm de aumentar os preços dos seus produtos para compensar o aumento dos custos devido ao aumento dos custos laborais, dos preços das matérias-primas, etc. não há aumento significativo na demanda.


E a diminuição da procura pode ser uma das causas, causada por uma variedade de factores, incluindo o declínio da confiança dos consumidores, a redução dos gastos governamentais e a redução do investimento por parte do sector privado. A falta de confiança dos consumidores leva a um declínio nos gastos dos consumidores; a redução dos gastos governamentais afecta a procura pública; e a redução do investimento do sector privado abranda a formação de capital e o potencial de crescimento da economia. A interacção destes factores pode levar a um abrandamento ou mesmo estagnação da actividade económica global, afectando negativamente a economia.


Os problemas estruturais da economia, como a rigidez do mercado de trabalho, o crescimento mais lento da produtividade e o progresso tecnológico insuficiente, também podem contribuir, em certa medida, para a emergência simultânea da estagnação económica e da inflação. A rigidez do mercado de trabalho implica dificuldades na distribuição eficiente dos recursos laborais, o que pode limitar a produtividade e a capacidade de inovação das empresas, restringindo assim o crescimento económico. Ao mesmo tempo, um crescimento mais lento da produtividade e um progresso tecnológico insuficiente podem abrandar a taxa de crescimento potencial da economia, tornando-a mais vulnerável ao duplo golpe da inflação e da estagnação económica face ao crescimento da procura ou a choques externos.


Se a política monetária não for eficaz no controlo da inflação ou for demasiado agressiva no tratamento da mesma, poderá ter um impacto negativo no crescimento económico e, em última análise, conduzir ao surgimento da estagflação. O crescimento excessivo da oferta monetária pode ser uma das principais causas da inflação, especialmente quando o dinheiro adicional não é apoiado por um crescimento económico proporcional. O excesso de dinheiro libertado no mercado pode fazer subir os preços e exacerbar as pressões inflacionistas, afectando assim negativamente a economia.


Existem também acontecimentos económicos ou políticos externos, tais como flutuações acentuadas nos preços internacionais do petróleo bruto ou grandes conflitos comerciais ou guerras, que podem ter um impacto negativo na economia. Por exemplo, na história dos Estados Unidos, a década de 1970 assistiu a um período de estagflação significativa, principalmente devido a duas grandes crises petrolíferas.


Políticas económicas governamentais inadequadas ou deficientes, tais como políticas fiscais inadequadas, excesso de regulamentação ou falta de políticas fiscais estáveis, podem exacerbar os desequilíbrios económicos e conduzir a este fenómeno. Por exemplo, os Estados Unidos, no início da década de 1970, registaram uma estagflação como resultado da política monetária expansionista da Fed e do consequente aumento das expectativas inflacionistas.


Entretanto, no início da década de 1970, a crise de estagflação nos EUA também foi causada pela espiral salários-preços. Refere-se ao processo de rápidos aumentos salariais devido a sindicatos fortes, o que obriga as empresas a aumentar os preços dos seus produtos, aumentando assim o nível de inflação. Este fenômeno na economia pode levar a um novo aumento da inflação.


Há também o facto de a mudança do ambiente económico internacional ter tido um efeito profundo no sector industrial da economia dos EUA. Face ao aumento da concorrência externa, o sector industrial dos EUA teve de ajustar as suas estratégias de produção, aumentar a produtividade ou mudar para produtos e mercados mais competitivos. Estes ajustamentos não afectam apenas o emprego e a estrutura da indústria, mas também têm implicações importantes para o crescimento e a competitividade da economia dos EUA como um todo, exigindo que os decisores políticos tomem medidas adequadas para enfrentar os desafios e promover o desenvolvimento económico sustentável.


No geral, a estagflação é normalmente uma situação em que a economia está em apuros devido a problemas simultâneos tanto do lado da oferta como da procura, que são difíceis de resolver de forma eficaz. Ao responder a esta crise, os decisores políticos precisam de ter em conta uma série de factores e encontrar a combinação certa de políticas para restaurar a saúde da economia.

Reasons for the emergence of the stagflation crisis Medidas para enfrentar a crise de estagflação

Responder à crise de estagflação é, de facto, um processo complexo e desafiante, uma vez que exige abordar simultaneamente o crescimento económico estagnado e a inflação elevada. Por outras palavras, responder a esta crise requer uma combinação de política monetária, política fiscal, reformas estruturais e outras ferramentas, bem como uma visão estratégica de longo prazo, a fim de resolver eficazmente os desafios complexos colocados pela estagnação económica e pela inflação elevada. .


Em primeiro lugar, a política monetária é uma das ferramentas importantes para lidar com a estagflação. Os bancos centrais podem controlar o ritmo e a escala da inflação ajustando as taxas de juro e regulando a oferta monetária. No entanto, um aperto monetário demasiado agressivo poderá levar a uma maior estagnação económica, enquanto uma flexibilização excessiva poderá exacerbar a inflação.


Em segundo lugar, a política fiscal também desempenha um papel importante na resposta à crise. Os governos podem influenciar a procura agregada na economia ajustando as políticas fiscais e aumentando ou diminuindo a despesa pública. Por exemplo, medidas adequadas de estímulo fiscal podem promover o crescimento económico até certo ponto, mas se utilizadas de forma inadequada ou excessiva, podem exacerbar a inflação.


Terceiro, a reforma do lado da oferta e o ajustamento estrutural são também meios importantes para lidar com esta questão. Medidas como a melhoria da eficiência da produção, a optimização da afectação de recursos e a resolução de problemas da cadeia de abastecimento podem aumentar a flexibilidade e a estabilidade do lado da oferta, aliviando assim a pressão inflacionista causada pelo desequilíbrio entre a oferta e a procura.


Finalmente, a resposta à crise requer uma perspectiva holística e de longo prazo. Os decisores políticos precisam de encontrar um equilíbrio entre as condições económicas, as respostas do mercado e os impactos sociais para evitar o impacto negativo das políticas de curto prazo na saúde económica a longo prazo. Além disso, é necessário ter em conta factores externos, como o ambiente económico internacional e os riscos geopolíticos, uma vez que podem agravar ainda mais o problema da estagflação interna.


Por exemplo, o problema da estagflação que ocorreu na década de 1970 foi combatido por uma série de medidas nos Estados Unidos. Em 1979, por exemplo, o presidente da Reserva Federal, Paul Volcker, adoptou um aperto extremamente decisivo da política monetária. Ao aumentar acentuadamente as taxas de juro, controlando assim eficazmente a oferta monetária e limitando o crescimento da procura agregada na economia, ele respondeu a elevadas pressões inflacionistas. Esta política levou a uma recessão grave, mas acabou por lançar as bases para a resolução do problema da inflação.


Ao mesmo tempo, o governo dos EUA empreendeu reformas na política fiscal numa tentativa de reduzir o défice fiscal e conter as pressões inflacionistas através de cortes nas despesas. Estas iniciativas visavam reduzir o estímulo governamental excessivo à economia, tornando assim a actividade económica global mais estável.


Além disso, os Estados Unidos implementaram uma série de medidas de reforma do lado da oferta, em particular a reestruturação da sua política energética. Num contexto de subida dos preços do petróleo, a pressão sobre a dependência do petróleo importado foi reduzida através de medidas como a melhoria da eficiência energética e a diversificação das fontes de energia, reduzindo assim o impacto da inflação.


Em conjunto, estas medidas ajudaram os Estados Unidos a emergir gradualmente do dilema estagflacionário do início da década de 1970. Embora a economia tenha enfrentado alguns desafios de curto prazo durante o processo de implementação, acabou por ser estabelecida uma base económica mais estável, estabelecendo uma base sólida para o crescimento económico nas próximas décadas.


Embora a estagflação ainda não tenha ocorrido, os investidores devem estar preparados para os riscos associados ao actual ambiente económico e às condições de mercado. As decisões de investimento devem basear-se no desempenho financeiro das empresas e em dados macroeconómicos, sendo sensato escolher empresas com fundamentos sólidos, gestão sólida e boas perspectivas de crescimento.


As blue chips e as empresas multinacionais geralmente demonstram maior resiliência ao risco em tempos de instabilidade económica. Estas empresas geralmente têm fluxos de caixa estáveis ​​e amplo alcance de mercado e são capazes de manter um desempenho relativamente estável num ambiente de mercado incerto. A sua escala de negócios e presença diversificada no mercado tornam-nos mais capazes de lidar com as flutuações económicas e as pressões do mercado, tornando-os uma das escolhas preferidas dos investidores em tempos de instabilidade.


Num ambiente inflacionário, o imobiliário é muitas vezes visto como uma opção de refúgio seguro, uma vez que os preços das casas e as rendas podem subir, contribuindo assim para a preservação ou valorização dos activos. Os investidores podem considerar investir em fundos de investimento imobiliário (REITs) ou comprar propriedades a título definitivo para obter fluxo de caixa constante e valorização de capital. A natureza patrimonial física dos imóveis e os rendimentos habituais de arrendamento tornam-nos atrativos contra o risco em tempos de inflação, o que torna os imóveis parte da diversificação da carteira.


Em resumo, a resposta à crise de estagflação exige que o Estado utilize de forma abrangente uma variedade de ferramentas políticas, regulando a oferta monetária, ajustando as despesas fiscais e promovendo reformas estruturais, a fim de conter eficazmente a inflação e promover a estabilidade económica e o crescimento. Os investidores, por outro lado, devem permanecer vigilantes no ambiente actual e construir uma carteira equilibrada para fazer face a possíveis volatilidades e riscos do mercado.

Causas, efeitos e respostas à estagflação
Causas Impacto Resposta
Escassez de oferta Desaceleração econômica Política monetária
Impulsionado pela demanda Piora do emprego Apoio Fiscal
Aumento de custos Preços crescentes Reforma Estrutural
Problemas estruturais Instabilidade social Política energética
Choques Externos Pressão fiscal Cooperação internacional

Isenção de responsabilidade: Este material é apenas para fins de informação geral e não se destina a ser (e não deve ser considerado como sendo) aconselhamento financeiro, de investimento ou outro no qual se deva confiar. Nenhuma opinião dada no material constitui uma recomendação da EBC ou do autor de que qualquer investimento, título, transação ou estratégia de investimento específico seja adequado para qualquer pessoa específica.

Visão geral do Walmart e sua avaliação de investimento

Visão geral do Walmart e sua avaliação de investimento

O Walmart, um dos principais retalhistas globais com vasto alcance e uma forte cadeia de abastecimento, apresenta vendas e resultados financeiros robustos, tornando o seu stock num investimento a longo prazo.

2024-07-12
Base de negociação de futuros de cobre e análise de mercado

Base de negociação de futuros de cobre e análise de mercado

As regras para futuros de cobre incluem especificações de contrato, horários de negociação e margens. Acompanhar tendências e indicadores globais ajuda a criar estratégias eficazes.

2024-07-12
Análise de tendências do índice de Xangai e estratégia de enfrentamento

Análise de tendências do índice de Xangai e estratégia de enfrentamento

O Shanghai Composite Index reflete o mercado de ações A. Os investidores devem concentrar-se no sentimento, nos indicadores, nos macrofatores e no timing das ações com sabedoria.

2024-07-12