Paridade de poder de compra: teoria básica e aplicativos

2024-06-14
Resumo:

A teoria da paridade do poder de compra utiliza uma avaliação da taxa de câmbio baseada nos preços, mas pode falhar devido a custos e políticas. Entenda suas limitações cambiais.

No Mercado cambial, OS comerciantes prestam muita atenção às taxas de câmbio. Mas você sabia que existe uma coisa que afeta muito a taxa de câmbio? Esta é a paridade do poder de compra, que é uma das teorias mais importantes de determinação da taxa de câmbio. Não só isso, proporciona aos comerciantes uma forma de avaliar se uma moeda está sobrevalorizada ou subvalorizada com base em comparações de preços de mercadorias. Agora, vamos aprender mais sobre a base teórica e a aplicação da Paridade do Poder de Compra.

Purchasing Power Parity

O que significa paridade de poder de compra?

A Paridade do Poder de Compra (PPP) é uma teoria econômica que visa comparar o poder de compra real das moedas entre diferentes países. A ideia básica por trás da PPP é que, idealmente, a mesma cesta de bens e serviços deveria ter preços iguais em diferentes países, mesmo quando adquiridos nas respectivas moedas.


Isto significa que a taxa de câmbio deve ser capaz de reflectir com precisão o verdadeiro valor da moeda de cada país, eliminando assim os efeitos cambiais no comércio internacional e permitindo que os preços dos bens entre diferentes países sejam eficazmente comparados e avaliados. A PPP proporciona, portanto, uma forma de medir e comparar o custo de vida e o poder económico dos países.


O surgimento da doutrina remonta ao surgimento do dinheiro, mas o seu ressurgimento moderno é em grande parte atribuído às contribuições do economista sueco Gustav Cassel durante as duas guerras mundiais do século XX. É uma das teorias mais importantes na determinação da taxa de câmbio e a compreensão dos seus conceitos básicos é fundamental para dominar modelos mais complexos de determinação da taxa de câmbio.


A teoria da paridade do poder de compra (PPC) sustenta que, na ausência de custos de transacção e outras barreiras, as taxas de câmbio entre diferentes países devem reflectir as diferenças no poder de compra de bens e serviços entre países. Por outras palavras, o mesmo conjunto de bens deve ter preços iguais em diferentes países, e este estado de paridade reflecte o verdadeiro valor da moeda de cada país.


Possui duas formas principais: absoluta e relativa. A paridade absoluta do poder de compra é um dos conceitos fundamentais da teoria e refere-se ao facto de que os mesmos bens deveriam ter o mesmo preço entre países na ausência de custos de transporte e barreiras comerciais. Por outras palavras, o poder de compra de uma moeda deve ser igual ao poder de compra de outras moedas.


Supõe-se que uma cesta de bens e serviços idênticos deve ter preços iguais entre diferentes países. Sob esta suposição, a taxa de câmbio entre as moedas de diferentes países deveria ser igual ao rácio dos preços dos bens nesses países. Por exemplo, se uma cesta de bens custa US$ 100 nos Estados Unidos e £ 80 no Reino Unido, a taxa de câmbio entre o dólar e a libra esterlina deveria ser 1,25 (100/80).


A Paridade Relativa do Poder de Compra, por outro lado, leva em consideração as diferenças nas taxas de inflação. Argumenta que a variação da taxa de câmbio da moeda de um país em relação à de outro deve ser igual à diferença nas taxas de inflação entre os dois países. Se a taxa de inflação de um país for superior à de outro, então a taxa de câmbio da moeda desse país deverá depreciar-se para permanecer relativa. Por exemplo, se a taxa de inflação nos Estados Unidos for de 2% e a taxa de inflação no Reino Unido for de 3%, então a taxa de câmbio do dólar face à libra esterlina deverá desvalorizar 1% ao ano em termos relativos.


Além disso, tem aplicações mais amplas em economia e finanças. Uma delas é a avaliação da taxa de câmbio, o que significa que é utilizada para avaliar se a moeda de um país está sobrevalorizada ou subvalorizada. Ao comparar a taxa de câmbio real com a taxa PPC, pode-se derivar o valor relativo de uma moeda, ajudando assim a analisar o poder de compra das pessoas e o poder de compra real de uma moeda.


Além disso, a teoria é amplamente utilizada em comparações económicas entre países, especialmente no cálculo e comparação do produto interno bruto (PIB) real. Organizações como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial utilizam frequentemente dados do PIB ajustados pela PPC para comparar a dimensão das economias e os padrões de vida entre países. Esta abordagem ajuda a eliminar diferenças de nível de preços entre diferentes países e fornece uma base de comparação mais precisa e objectiva, tornando a investigação económica internacional e a elaboração de políticas mais informativas.


Além disso, a teoria também afirma que as políticas monetárias e económicas afectam o poder de compra da moeda e as taxas de câmbio. Os países podem influenciar o poder de compra relativo das suas moedas e taxas de câmbio através do ajuste da oferta monetária, das taxas de juro e da política fiscal. Isto sugere que as políticas monetárias e económicas desempenham um papel importante na definição das relações económicas internacionais e no ajustamento do comércio internacional, ao mesmo tempo que têm um impacto nos movimentos das taxas de câmbio e nos fluxos de capitais internacionais.


Dito isto, a paridade do poder de compra (PPC) é um método importante para compreender e analisar os movimentos das taxas de câmbio internacionais, especialmente em horizontes de longo prazo. No entanto, devido às suas limitações na aplicação prática, é frequentemente utilizado em conjunto com outras teorias económicas e dados reais para fornecer análises e previsões económicas mais abrangentes (Wikipedia) (MGM Research).

Purchasing power parity (PPP) formula

Por que a paridade do poder de compra falha?

É de facto um conceito-chave na teoria económica, mas pode falhar em aplicações práticas. A razão para isto é a discrepância entre os pressupostos teóricos e as condições económicas reais. A principal deficiência é que pressupõe que os bens podem ser comercializados livremente e não tem em conta os custos de transacção, tais como tarifas, quotas e impostos.


Outra lacuna é que se aplica apenas a bens, mas ignora os serviços, que podem ter precisamente a margem para disparidades de valor muito significativas. Além da inflação e dos diferenciais de taxas de juro, existem vários outros factores que afectam a taxa de câmbio, tais como a divulgação ou divulgação de números económicos, mercados de activos e desenvolvimentos políticos.


Isto acontece porque o comércio internacional muitas vezes não é completamente isento de barreiras, mas está sujeito a vários factores que podem levar a diferenças no preço dos bens entre diferentes países, afectando assim a concretização da paridade do poder de compra. Factores como os custos de transacção e as barreiras, por exemplo, precisam de ser tidos em conta nas comparações económicas internacionais e nas análises das taxas de câmbio.


Em primeiro lugar, os custos de transporte são um factor importante, pois existem custos envolvidos no transporte de mercadorias de um país para outro, e esses custos são adicionados ao preço das mercadorias, afectando assim o seu preço final. Em segundo lugar, os governos impõem tarifas e outros impostos sobre bens importados, o que também pode levar a diferenças no preço dos mesmos bens em diferentes países. Além disso, existem várias formas de barreiras não tarifárias, tais como quotas, licenças e normas, que também têm impacto no preço dos bens.


Ao mesmo tempo, as políticas monetárias e económicas de um país podem afectar directamente a taxa de câmbio e o nível de preços, ajustando factores como a oferta monetária, os níveis das taxas de juro e as despesas fiscais. Se um país adoptar uma política monetária ou económica agressiva, isto pode levar a um desvio no poder de compra relativo da moeda do país e da taxa de câmbio, o que por sua vez afecta a realização da teoria.


Especificamente, os ajustamentos na política monetária, tais como alterações nas taxas de juro e na oferta monetária, podem ter um impacto direto nos preços e nas taxas de câmbio, o que pode levar ao fracasso da paridade do poder de compra. Entretanto, as políticas fiscais governamentais, incluindo medidas como impostos e subsídios, também podem ter um impacto nos preços dos bens e serviços, o que por sua vez afecta a realização da teoria.


A rigidez dos preços, os bens e serviços não transaccionáveis, a rigidez dos preços e as diferenças nos hábitos e preferências de consumo são factores importantes que contribuem para o seu fracasso. Os ajustamentos nos preços das matérias-primas podem não reflectir imediatamente alterações na oferta e na procura do mercado, e as empresas podem atrasar os ajustamentos de preços face a choques externos ou alterações económicas internas, o que pode levar a desvios entre os preços reais e as PPC.


Além disso, os bens e serviços não transacionáveis ​​também têm impacto nas PPP. Os preços de bens e serviços localizados, como habitação, cuidados de saúde e certos serviços, variam consideravelmente de país para país, e os mercados podem ser segmentados de um país para outro por razões como a segmentação do mercado, resultando em preços diferentes para bens e serviços .


Além disso, a rigidez dos preços é um factor importante, incluindo os custos dos menus e as rigidezes salariais e contratuais, que podem impedir que os preços se ajustem rapidamente aos níveis de paridade. Finalmente, as diferenças nos hábitos e preferências de consumo também podem afectar a PPC. Os consumidores em diferentes países têm preferências e hábitos de consumo diferentes, e certos bens podem ter mais substitutos num país, o que também pode levar a diferenças de preços.


É importante compreender que as diferenças na tecnologia de produção e na eficiência conduzem a diferentes custos de bens e serviços em diferentes países, o que por sua vez afecta o nível de preços. O grau de concorrência no mercado também é um factor-chave, com mercados altamente competitivos tendendo a ter preços mais baixos. Além disso, factores como a estrutura económica, a estrutura industrial e as condições do mercado de trabalho em diferentes países também têm impacto nos preços das matérias-primas. Assim, mesmo na ausência de barreiras comerciais, as PPP podem falhar devido a estes factores estruturais.


Por outro lado, acontecimentos como catástrofes naturais, guerras ou crises financeiras podem levar a flutuações anormais do mercado, que podem afectar alterações de curto prazo nos preços das matérias-primas e nas taxas de câmbio. Estas flutuações de curto prazo podem tornar as PPP ineficazes nestas circunstâncias excepcionais, uma vez que a oferta e a procura do mercado e o sentimento dos investidores podem ter um impacto temporário nos preços e nas taxas de câmbio, fazendo com que se desviem dos seus níveis de equilíbrio de longo prazo.


Resumindo, embora a teoria da paridade do poder de compra (PPC) seja importante na teoria, pode falhar na aplicação prática devido a vários factores. Portanto, ao fazer comparações económicas internacionais e análises de taxas de câmbio, é necessário considerar de forma abrangente uma variedade de factores e avaliar cuidadosamente a sua aplicabilidade.

Global purchasing power parity (GDP)

Fatores que afetam a taxa de câmbio da paridade do poder de compra

A ideia básica da teoria da PPP é eliminar o efeito das diferenças de preços comparando os preços dos mesmos bens em diferentes países. Esta teoria pressupõe que as pessoas precisam de usar a moeda local para comprar bens e serviços nacionais e a moeda estrangeira para comprar bens e serviços estrangeiros. Portanto, ao comparar o preço do mesmo bem em diferentes países, o poder de compra real da moeda de cada país pode ser refletido com mais precisão, revelando assim o verdadeiro valor da taxa de câmbio.


Por exemplo, o Índice Big Mac criado pela revista Economist usa para comparação os preços dos Big Macs do McDonald's vendidos em cada país. Embora outras mercadorias sejam difíceis de comparar, o Big Mac está disponível em muitos países e é fabricado numa escala semelhante, o que o torna um exemplo de avaliação do poder de compra. As taxas de câmbio nominais, por outro lado, são uma comparação direta das taxas de câmbio das moedas dos dois países, refletindo a oferta e a procura do mercado. Verificou-se que existe um desconto na taxa de câmbio nominal para a maioria dos países, enquanto o prémio se transforma gradualmente num desconto para os países europeus.


A taxa de câmbio entre as moedas dos dois países leva em consideração o nível de preços dos dois países. A taxa de câmbio PPC é mais abrangente do que a taxa de câmbio tradicional porque tem em conta não só o valor relativo entre moedas, mas também a paridade real do poder de compra dos bens. Este tipo de taxa de câmbio pode reflectir com mais precisão o verdadeiro nível dos preços das matérias-primas entre diferentes países, o que ajuda nas comparações e avaliações económicas entre países.


A teoria afirma que as diferenças nas taxas de inflação são um dos fatores importantes na determinação da valorização ou depreciação das taxas de câmbio. Se a taxa de inflação de um país for superior à de outro, o poder de compra real da sua moeda pode cair, levando a uma depreciação da taxa de câmbio. Esta diferença pode ser medida comparando os índices de preços dos dois países, sendo que um nível de preços relativamente mais elevado num país com uma taxa de inflação elevada conduz a uma diminuição do poder de compra real da moeda. Portanto, a valorização e a depreciação da taxa de câmbio dependem em grande parte da diferença nas taxas de inflação, a fim de manter a paridade relativa.


Os ajustamentos nas políticas monetárias e económicas são fundamentais para manter ou ajustar as taxas de câmbio da PPC. Através de ajustamentos na oferta monetária, nas taxas de juro e na intervenção no mercado cambial, o Estado pode influenciar directamente o poder de compra relativo da sua moeda e a taxa de câmbio. Uma política monetária agressiva, como a expansão da oferta monetária ou a redução das taxas de juro, pode levar a um declínio no poder de compra relativo da moeda e desencadear uma depreciação da taxa de câmbio.


Por outro lado, um aperto da política monetária pode levar a um aumento do poder de compra relativo da moeda, desencadeando uma apreciação da taxa de câmbio. Além disso, as políticas económicas de um país, tais como as despesas fiscais e as políticas fiscais, também podem ter um impacto na oferta monetária e no desempenho económico, afectando assim a taxa de câmbio e o nível de preços.


Ao mesmo tempo, a dimensão e a direcção dos fluxos de capitais também têm um impacto significativo na oferta e na procura de moeda, o que, por sua vez, afecta o poder de compra relativo da moeda e a taxa de câmbio. Grandes entradas de capital normalmente aumentam a procura pela moeda de um país, levando à valorização da moeda; inversamente, as saídas de capital podem levar à desvalorização da moeda. Este efeito pode ser concretizado através de ajustamentos na oferta monetária e nas taxas de juro, que têm impacto na paridade do poder de compra.


O governo pode influenciar o nível da taxa de câmbio intervindo directamente no mercado cambial ou implementando a política monetária. Por exemplo, o governo pode intervir no mercado comprando ou vendendo divisas, a fim de influenciar a oferta e a procura de moeda e, portanto, a taxa de câmbio. Além disso, o governo pode ajustar a oferta monetária e, portanto, a taxa de câmbio, alterando o nível das taxas de juro ou implementando outras medidas de política monetária. Embora a intervenção governamental possa alterar a taxa de câmbio no curto prazo, é normalmente difícil influenciar de forma sustentável as tendências da taxa de câmbio a longo prazo.


Quando a taxa de crescimento económico e os níveis de produtividade de um país aumentam, o poder de compra relativo da sua moeda pode aumentar. Isto porque o crescimento económico e o aumento da produtividade podem impulsionar a produção e oferta de bens e serviços no país e aumentar o nível do seu produto interno bruto (PIB). Este crescimento e aumento da produtividade podem aumentar a procura pela moeda do país e, consequentemente, levar à valorização da moeda.


A teoria da paridade do poder de compra (PPC) sugere que, na ausência de custos de transacção e outras barreiras, as taxas de câmbio das moedas entre os diferentes países devem reflectir as diferenças no poder de compra de bens e serviços em cada país. Por outras palavras, o mesmo conjunto de bens deve ter preços iguais em diferentes países, e este estado de paridade reflecte o verdadeiro valor da moeda de cada país.


A taxa de câmbio PPC é precisamente o nível da taxa de câmbio que iguala os preços dos mesmos bens em diferentes países e fornece uma medida do valor relativo das moedas que supera possíveis distorções nas taxas de câmbio. Assim, as diferenças no nível de preços são fundamentais para a formação e compreensão das taxas de câmbio PPP.


Em resumo, a formação das taxas de câmbio PPC é influenciada por uma variedade de factores, incluindo diferenças de nível de preços, custos e barreiras de transacção, políticas monetárias e económicas, diferenças estruturais na economia, diferenças na tecnologia e eficiência de produção, o grau de concorrência em o mercado e a rigidez dos preços. Compreender isto é importante para que os traders de Forex desenvolvam estratégias de negociação e prevejam os movimentos do mercado.

Fatores que afetam as taxas de câmbio da paridade do poder de compra
Fatores de influência Descrição
Diferenças de preço As diferenças de preços das matérias-primas entre países afectam as taxas de câmbio de paridade.
Custos de transação Os custos de transporte e as barreiras comerciais afectam as diferenças internacionais de preços.
Política monetária Os ajustamentos na oferta monetária e nas taxas de juro afectam directamente o nível das taxas de câmbio.
Estrutura Econômica As diferenças na tecnologia de produção e na eficiência afectam os custos e os preços dos produtos.
Competição de Mercado A oferta e a procura do mercado e o grau de concorrência afectam os preços das matérias-primas.
Política do governo Os gastos fiscais e as políticas fiscais afetam o desempenho económico e o dinheiro.
Fluxos de capital Os fluxos de capitais têm impacto na procura de moeda e nas taxas de câmbio.
Crescimento econômico O crescimento económico e os ganhos de produtividade afectam a procura e o valor do dinheiro.

Isenção de responsabilidade: Este material é apenas para fins de informação geral e não se destina a ser (e não deve ser considerado como sendo) aconselhamento financeiro, de investimento ou outro no qual se deva confiar. Nenhuma opinião dada no material constitui uma recomendação da EBC ou do autor de que qualquer investimento, título, transação ou estratégia de investimento específico seja adequado para qualquer pessoa específica.

Visão geral do Walmart e sua avaliação de investimento

Visão geral do Walmart e sua avaliação de investimento

O Walmart, um dos principais retalhistas globais com vasto alcance e uma forte cadeia de abastecimento, apresenta vendas e resultados financeiros robustos, tornando o seu stock num investimento a longo prazo.

2024-07-12
Base de negociação de futuros de cobre e análise de mercado

Base de negociação de futuros de cobre e análise de mercado

As regras para futuros de cobre incluem especificações de contrato, horários de negociação e margens. Acompanhar tendências e indicadores globais ajuda a criar estratégias eficazes.

2024-07-12
Análise de tendências do índice de Xangai e estratégia de enfrentamento

Análise de tendências do índice de Xangai e estratégia de enfrentamento

O Shanghai Composite Index reflete o mercado de ações A. Os investidores devem concentrar-se no sentimento, nos indicadores, nos macrofatores e no timing das ações com sabedoria.

2024-07-12