O conceito de liquidez bancária e avaliação de risco

2024-06-21
Resumo:

A liquidez bancária é a capacidade de mobilizar ativos para fazer face aos levantamentos e pagamentos dos clientes, avaliada por métricas como a cobertura e os rácios de caixa. ​

O colapso do Silicon Valley Bank causou furor, pois ninguém antes daquela época esperava que um banco tão grande falisse. Contudo, não foi a dimensão ou a história do banco que esteve no centro desta tragédia, mas sim a capacidade do banco para fazer face aos desafios de liquidez. Portanto, neste artigo, vamos nos aprofundar no conceito de liquidez bancária e na sua avaliação de risco.

Bank liquidity

O que significa liquidez bancária?

Refere-se à capacidade dos ativos de um banco, especialmente caixa e equivalentes de caixa, de cumprir seus pagamentos e serviço da dívida. Por outras palavras, a liquidez bancária refere-se à capacidade de um banco liquidar rapidamente os seus activos para satisfazer os vários pagamentos e necessidades de financiamento que enfrenta.


É uma parte muito importante das operações de um banco porque os bancos precisam de lidar prontamente com levantamentos de depósitos, desembolsos de empréstimos, pagamentos de juros e várias outras atividades de fluxo de fundos dos seus clientes. Uma boa gestão da liquidez bancária pode ajudar a evitar atrasos nos pagamentos ou incumprimento de compromissos devido à escassez de fundos, preservando assim a sua credibilidade e operações estáveis.


Para reduzir o risco de pagamento e a incerteza no fluxo de fundos, os bancos devem garantir que têm liquidez suficiente para processar transações como levantamentos de depósitos de clientes, cheques e pagamentos eletrónicos. Isto significa que os bancos precisam de ter sempre dinheiro suficiente ou activos facilmente realizáveis ​​para satisfazer as necessidades de financiamento dos seus clientes, mantendo ao mesmo tempo o funcionamento eficiente dos seus serviços de pagamento. Além disso, os bancos precisam de estar ativamente envolvidos em sistemas de pagamentos e sistemas de compensação que garantam que os fundos possam chegar e liquidar de forma eficiente e atempada, mantendo assim a suavidade e a segurança das suas operações diárias.


A liquidez bancária adequada é a base para garantir que os bancos sejam capazes de cumprir as suas obrigações à medida que vencem, de forma atempada e sob diversas circunstâncias. Isto inclui não apenas os depósitos de clientes e os empréstimos do próprio banco, mas também uma vasta gama de outros instrumentos financeiros. Os bancos devem garantir que a estabilidade das suas operações é mantida face à volatilidade do mercado, à incerteza e a acontecimentos inesperados.


Esta protecção de liquidez permite aos bancos fazer face a levantamentos de depósitos em grande escala, exigências de pagamento e pressões de financiamento decorrentes de mudanças no mercado, evitando assim o risco de atrasos nos pagamentos ou de incumprimento de compromissos devido à escassez de fundos. Ao manterem uma liquidez adequada, os bancos podem garantir a sua credibilidade e uma posição financeira sólida, aumentar a sua resiliência ao risco e manter a competitividade e a confiança nos mercados financeiros.


Os bancos podem obter e manter liquidez de diversas maneiras para garantir que sejam capazes de responder a uma variedade de necessidades de pagamento e financiamento. Os depósitos de clientes são uma das mais importantes fontes de financiamento dos bancos e uma importante fonte de liquidez. Os bancos dependem de depósitos para as suas operações de crédito e outros investimentos para gerar rendimentos e lucros. A dimensão e a estabilidade dos depósitos têm um impacto direto na liquidez e na capacidade de operação de um banco.


Portanto, os bancos geralmente tomam medidas para atrair e reter depósitos de clientes, tais como oferecer taxas de juros competitivas, serviços de saque convenientes e atendimento ao cliente de qualidade, para manter e aumentar o tamanho dos seus depósitos e para garantir liquidez suficiente para responder a diversas necessidades de financiamento e mudanças no mercado.


Os bancos podem solicitar empréstimos do banco central ou participar em operações de recompra reversa para obter apoio temporário de liquidez. O banco central é normalmente o executor da política monetária do país e é responsável pela regulação e gestão da liquidez nos mercados financeiros. Quando os bancos enfrentam escassez de fundos ou necessitam de liquidez adicional, podem solicitar empréstimos de curto prazo ao banco central. Estes empréstimos, que são geralmente concedidos a taxas de juro mais baixas, ajudam os bancos a responder às necessidades temporárias de financiamento e a garantir o seu funcionamento normal e a capacidade de efetuar pagamentos.


Além disso, os bancos também podem participar das operações compromissadas reversas do Banco Central. Uma recompra reversa é um instrumento de financiamento de dívida de curto prazo no qual os bancos vendem as suas participações (geralmente títulos de alta liquidez, como títulos do governo) ao banco central com um acordo para recompra-los após um determinado período de tempo no futuro. As operações compromissadas reversas proporcionam aos bancos uma maneira fácil de obter liquidez e acesso rápido a fundos para lidar com picos de demanda por fundos ou situações inesperadas.


Os bancos podem aumentar a sua liquidez detendo uma variedade de activos mais líquidos. Estes activos incluem obrigações governamentais, uma vez que são geralmente considerados entre os activos mais seguros e líquidos. Além disso, os bancos podem deter acções altamente líquidas, ou seja, acções que são activamente negociadas no mercado e facilmente liquidadas.


Além disso, outros títulos facilmente realizáveis ​​são activos importantes que os bancos utilizam para responder às necessidades de liquidez porque são relativamente líquidos no mercado e podem ser rapidamente liquidados para satisfazer pagamentos e outras necessidades de financiamento. Ao deter estes activos, os bancos podem gerir o seu risco de liquidez de forma mais flexível e fiável face a levantamentos de depósitos e outras necessidades de pagamento.


Os bancos podem gerir eficazmente o seu risco de liquidez e aumentar a liquidez através de uma variedade de operações de mercado, incluindo a compra e venda de obrigações para ajustar as suas carteiras de ativos, a cobertura com derivados, como swaps de taxas de juro ou contratos de futuros, e o empacotamento de ativos em títulos para emissão através da titularização de ativos. . Estas operações permitem que os bancos respondam com flexibilidade às mudanças do mercado e às necessidades dos clientes, gerindo assim de forma eficaz o risco de liquidez e aumentando os níveis de liquidez.


Uma boa gestão da liquidez bancária é essencial para ajudar os bancos a protegerem-se contra vários riscos, tais como risco de mercado, risco de crédito e risco operacional. Ao garantir uma liquidez adequada, os bancos podem minimizar a perda de fundos devido a acontecimentos imprevistos, manter fundos suficientes e responder rapidamente às mudanças do mercado e às necessidades dos clientes, quando necessário. Ao gerir eficazmente a liquidez, os bancos podem reduzir o risco de saídas de capital face a eventos imprevisíveis ou volatilidade do mercado, mantendo assim a sua estabilidade financeira e reputação.


Em resumo, a liquidez bancária refere-se à capacidade dos activos de um banco, especialmente caixa e equivalentes de caixa, serem rapidamente realizados para satisfazer as necessidades de pagamento e serviço da dívida. Uma boa gestão da liquidez é essencial para que os bancos possam lidar com levantamentos de depósitos, desembolsos de empréstimos, pagamentos de juros e outras atividades de liquidez e ajuda a evitar o risco de liquidez bancária.

Silicon Valley Bank's mismatch between assets and liabilities leads to bank liquidity risk

O que é risco de liquidez bancária?

Este é o risco a que um banco está exposto: o risco de não conseguir obter fundos suficientes para cumprir os seus compromissos em tempo útil. Este risco pode ser causado por uma série de factores, incluindo, entre outros, levantamentos de depósitos em grande escala, instabilidade do mercado ou desequilíbrios no balanço do próprio banco. Especificamente, o risco de liquidez bancária envolve a incapacidade de um banco obter fundos suficientes rapidamente e a um custo razoável para cumprir as suas responsabilidades de curto prazo e outras necessidades de financiamento quando necessário.


Quando as necessidades de um banco excedem os fundos disponíveis, poderá não ser capaz de satisfazer atempadamente os levantamentos de depósitos, reembolsos de empréstimos e outras necessidades de desembolso, o que pode levar a problemas de liquidez. A causa profunda dos problemas de liquidez de um banco reside geralmente num desfasamento entre os seus activos e passivos ou na sua incapacidade de liquidar activos rapidamente quando as condições de mercado se deterioram. Nesses casos, os bancos podem enfrentar levantamentos em grande escala de clientes ou fundos insuficientes no vencimento do empréstimo, o que pode afectar as suas operações normais.


Uma incompatibilidade entre os ativos e os passivos de um banco pode levar a um desequilíbrio entre os desembolsos e as necessidades de financiamento, aumentando o risco de liquidez do banco. Em primeiro lugar, esta situação pode expor os bancos a desafios no reembolso atempado de levantamentos de depósitos, capital e juros de empréstimos ou outras responsabilidades. Por exemplo, se os passivos de curto prazo de um banco excederem os activos imediatamente realizáveis, poderá ser necessário liquidar rapidamente os activos em condições desfavoráveis ​​para satisfazer as necessidades de pagamento, aumentando o risco de liquidez dos activos.


Em segundo lugar, os desfasamentos entre activos e passivos também podem enfraquecer a adequação e a solidez do capital de um banco, especialmente se o banco depender de financiamento de curto prazo para apoiar activos de longo prazo, o que pode dificultar o cumprimento dos compromissos de longo prazo em tempos de volatilidade do mercado ou restrições de financiamento, agravando ainda mais os problemas de liquidez.


A falência do Silicon Valley Bank em 2023 foi um caso de risco de liquidez bancária devido ao descasamento entre ativos e passivos. Conforme mostrado no gráfico abaixo, o balanço do banco mostra uma incompatibilidade de prazos de vencimento (uma incompatibilidade entre o vencimento do lado do ativo e o vencimento do lado do passivo) causada por "empréstimos a descoberto e empréstimos longos" (ou seja, fonte de curto prazo de fundos e uso de fundos a longo prazo). No final de dezembro de 2022, os depósitos do Silicon Valley Bank eram de US$ 173,1 bilhões, ou 89% do passivo total. Desse montante, US$ 92,3 bilhões eram depósitos remunerados.


Existe também a possibilidade de os bancos necessitarem de angariar fundos a um custo mais elevado em tempos de aperto do mercado ou quando o crédito do banco estiver prejudicado, o que poderá ter um impacto na sua rentabilidade. Mercados apertados geralmente significam uma redução na oferta de fundos ou um aumento no custo dos fundos, fazendo com que os bancos enfrentem taxas de empréstimo mais elevadas ou outros custos de financiamento na obtenção de fundos. Estes custos adicionais podem aumentar as despesas operacionais de um banco e comprimir a sua margem de lucro líquido.


Além disso, os danos na notação de crédito de um banco podem levar à redução da confiança dos investidores no mesmo, o que, por sua vez, pode aumentar ainda mais o custo do empréstimo ou tornar mais difícil a obtenção de financiamento. Neste caso, os bancos poderão enfrentar uma utilização menos eficiente do capital, bem como uma expansão limitada dos negócios. Devido à crescente preocupação dos investidores relativamente à notação de crédito de um banco, os bancos poderão ter de pagar taxas de juro mais elevadas para atrair fundos ou enfrentar restrições de crédito mais rigorosas, o que poderá ter um impacto negativo na posição financeira e no crescimento futuro do banco.


Os sistemas de pagamento e compensação são essenciais para as operações normais dos bancos, pois garantem a chegada e liquidação atempada dos fundos e apoiam os bancos no processamento das transações dos clientes e no reembolso da dívida. Se os problemas de liquidez noutras instituições financeiras afectarem o funcionamento normal destes sistemas, os bancos poderão necessitar de tomar medidas adicionais para fazer face às flutuações na liquidez do financiamento, tais como a mitigação de riscos ajustando as suas estratégias de gestão de fundos ou encontrando meios alternativos de pagamento e compensação.


Há também momentos em que há uma recessão económica, um choque nos mercados financeiros ou um grande evento de crédito, por exemplo, o que pode levar a uma maior pressão sobre os bancos para levantarem depósitos ou à depreciação dos seus activos, o que por sua vez pode exacerbar o seu risco de liquidez. . Durante uma recessão económica, os clientes podem efectuar levantamentos de depósitos em grande escala, conduzindo a restrições de financiamento para os bancos. Ao mesmo tempo, os choques nos mercados financeiros e os grandes eventos de crédito podem causar a queda do valor dos activos detidos pelos bancos, tornando mais difícil a liquidação desses activos ou apenas possível vendê-los com desconto, agravando ainda mais os problemas de liquidez bancária.


O risco de liquidez bancária pode não só expor um banco à insolvência, mas pode até ser o gatilho para uma crise financeira. A existência de tal risco exige, portanto, que os bancos adotem medidas eficazes de gestão de liquidez para garantir que sejam mantidos níveis adequados de liquidez sob diversas condições de mercado.

Bank liquidity risk indicators

Como a liquidez bancária é avaliada

Para avaliar a saúde da liquidez de um banco, pode-se analisar vários aspectos e utilizar vários indicadores e métodos para obter uma imagem abrangente da sua posição de liquidez. Por exemplo, é possível realizar a gestão diária da liquidez, que é uma série de medidas implementadas pelos bancos através da monitorização dos fluxos de caixa, da avaliação da correspondência entre activos e passivos e da garantia de diversificação das fontes de financiamento. Os bancos antecipam e respondem a possíveis necessidades de financiamento monitorizando e analisando regularmente as entradas e saídas de caixa, bem como as características de liquidez dos seus ativos.


Além disso, os bancos reduzem o risco de liquidez mantendo um perfil de maturidade razoável dos activos e passivos e garantindo que os passivos de curto prazo podem ser utilizados para apoiar a liquidação e o reembolso de activos de curto prazo. A diversificação das fontes de financiamento é também uma das estratégias importantes, através da qual os bancos mantêm a estabilidade da liquidez através de diferentes fontes de financiamento, tais como depósitos, financiamento de mercado e apoio do banco central, para enfrentar os desafios de vários ambientes de mercado e económicos e para garantir a suavidade e estabilidade das operações do dia a dia.


Por exemplo, o balanço de um banco pode ser analisado com especial atenção às características de liquidez dos seus activos e ao perfil de maturidade dos seus passivos. Concentre-se em ativos como caixa, depósitos, títulos de curto prazo e títulos de alta liquidez detidos pelo banco, bem como na composição e vencimento de depósitos de curto prazo, empréstimos e outros passivos de curto prazo.


Em seguida, vários indicadores e rácios de liquidez podem ser utilizados para quantificar o risco de liquidez de um banco, tais como o rácio de cobertura de liquidez, o rácio entre ativos líquidos e passivos líquidos e a análise de projeção de fluxo de caixa. Estes indicadores podem ajudar a avaliar se um banco tem fundos suficientes para cumprir os seus compromissos de responsabilidade a curto e a longo prazo.


O Rácio de Cobertura de Liquidez (LCR) é um indicador importante para determinar se as participações de um banco em ativos líquidos de elevada qualidade são suficientes para cobrir as suas saídas líquidas de caixa quando confrontado com um cenário de stress de 30 dias. O valor do LCR geralmente não deve ser inferior a 100%. Isto significa que os bancos devem deter pelo menos activos líquidos de elevada qualidade suficientes para cobrir possíveis cenários de saída de caixa e garantir que podem cumprir as suas obrigações de pagamento no curto prazo sem depender de fontes externas de financiamento.


O cálculo do LCR baseia-se no rácio entre os activos de elevada liquidez detidos pelo banco (por exemplo, numerário, obrigações governamentais, etc.) e as saídas líquidas de caixa projectadas. Um LCR elevado indica a capacidade de um banco para lidar com necessidades de financiamento inesperadas no curto prazo e é, portanto, considerado um indicador saudável e robusto de gestão de liquidez em avaliações regulamentares e de mercado. Ao manter um rácio de cobertura de liquidez (LCR) adequado, os bancos conseguem reduzir a sua exposição ao risco de liquidez e aumentar a sua capacidade de resistir a condições de mercado desfavoráveis ​​e situações de stress.


O índice de caixa é uma medida da proporção entre o caixa detido pelo banco e o total de depósitos e é usado para refletir a capacidade do banco de responder às necessidades de retirada de depósitos de curto prazo. Este rácio afecta directamente as estratégias de gestão de liquidez e de controlo de risco de um banco. Um rácio de tesouraria elevado significa que o banco é capaz de satisfazer mais facilmente os pedidos de levantamento de dinheiro dos seus clientes no curto prazo, reduzindo assim o risco de desafios de liquidez.


Normalmente, os rácios de caixa não devem ser demasiado elevados porque o caixa não gera receitas de juros, o que pode afectar a rentabilidade do banco. No entanto, um rácio de tesouraria demasiado baixo pode fazer com que o banco não consiga responder atempadamente aos pedidos de levantamento de depósitos em grande escala, aumentando assim o risco de liquidez. Portanto, os bancos precisam de definir e gerir os seus rácios de tesouraria de forma adequada, tendo em conta o seu modelo de negócio, as necessidades dos clientes e as condições de mercado, para garantir que é encontrado um equilíbrio entre a manutenção da liquidez e da rentabilidade.


O rácio de financiamento estável líquido (NSFR) é um indicador que avalia a solidez a longo prazo e o risco de liquidez de um banco, medindo a proporção dos activos de um banco que são adequadamente apoiados por fontes estáveis ​​de financiamento num cenário de esforço de um ano. que um banco detenha financiamento estável suficiente que seja capaz de apoiá-lo de forma contínua durante períodos de estresse para garantir que seu negócio opere de maneira sólida.


O NSFR exige que os bancos considerem a estabilidade esperada de vários activos e passivos em conjunto para garantir que as fontes de financiamento são suficientes para apoiar a natureza de longo prazo dos seus activos. Por exemplo, os depósitos de longo prazo, os empréstimos de longo prazo e vários instrumentos de capital são considerados fontes estáveis ​​de financiamento, enquanto o financiamento dependente de financiamento de mercado de curto prazo não é considerado estável. Esta avaliação abrangente ajuda os bancos a gerir melhor as suas estruturas de ativos e passivos, a reduzir o risco de liquidez e a melhorar a sua solidez global e resiliência ao risco.


O rácio de reservas obrigatórias, por outro lado, é a percentagem de depósitos que o banco central exige que os bancos comerciais mantenham como reservas e não utilizem para empréstimos ou outros investimentos. Este rácio visa garantir que os bancos mantenham reservas de caixa suficientes para satisfazer as necessidades dos clientes face a possíveis levantamentos de depósitos em grande escala. Este requisito ajuda a manter a estabilidade do sistema financeiro e a prevenir riscos sistémicos decorrentes da falta de liquidez dos bancos.


Poderá também examinar se os bancos podem contar com o apoio à liquidez fornecido pelo banco central, como através da solicitação de empréstimos ao banco central ou da participação em operações de recompra inversa. Além disso, analisar se os bancos têm estratégias para utilizar operações de mercado para gerir e aumentar a liquidez, tais como comprar e vender títulos e realizar securitização de ativos.


Entretanto, a realização de testes de esforço em situações de contingência é uma metodologia importante para avaliar o desempenho da liquidez dos bancos e a capacidade de fazer face a diferentes condições de mercado. Estes testes simulam uma variedade de ambientes de mercado desfavoráveis, tais como levantamentos de depósitos em grande escala, volatilidade do mercado de activos e outras situações que podem levar a restrições de liquidez.


Os testes de esforço permitem que os bancos avaliem de forma abrangente a sua posição de liquidez em cenários de esforço e identifiquem possíveis pontos de risco e fraquezas. Esta análise ajuda os bancos a formular estratégias e medidas eficazes de gestão de liquidez para garantir que podem tomar contramedidas oportunas e adequadas face a circunstâncias imprevistas para salvaguardar a segurança e a estabilidade dos seus fundos.


Através da utilização dos indicadores e métodos acima mencionados, os bancos e os reguladores podem avaliar de forma abrangente o estado da liquidez bancária, identificar potenciais riscos de liquidez e tomar medidas de gestão adequadas. Isto não só contribui para o funcionamento estável do próprio banco, mas também ajuda a manter a estabilidade do sistema financeiro como um todo.

Aspectos Descrição. Fatores de risco Metodologia de Avaliação
Definição A liquidez de um banco é a sua capacidade de converter rapidamente ativos em dinheiro. Liquidez de Ativos Os testes de fluxo de caixa garantem a rápida realização de ativos sob estresse.
Papel Garante a solvência, aumenta a reputação e gerencia riscos com eficiência. Liquidez do Passivo A análise do vencimento do passivo garante o pagamento da dívida no curto prazo.
Riscos O banco corre o risco de conversão de activos e de reembolso atempado de passivos. Buffer de liquidez Gerencie a liquidez em meio à volatilidade do mercado para operações estáveis.

Isenção de responsabilidade: Este material é apenas para fins de informação geral e não se destina a ser (e não deve ser considerado como sendo) aconselhamento financeiro, de investimento ou outro no qual se deva confiar. Nenhuma opinião dada no material constitui uma recomendação da EBC ou do autor de que qualquer investimento, título, transação ou estratégia de investimento específico seja adequado para qualquer pessoa específica.

Abertura de contas futuras de ouro e pontos de negociação

Abertura de contas futuras de ouro e pontos de negociação

Os futuros de ouro são contratos de preços sem entrega física. Abra uma conta com verificação de idade e identidade; use análise técnica para negociação.

2024-07-19
Oracle e seu valor de investimento em ações

Oracle e seu valor de investimento em ações

A Oracle é um fornecedor líder de soluções de dados e nuvem com estoque estável, tecnologia forte, influência de mercado e bom potencial de crescimento a longo prazo.

2024-07-19
Regras de negociação e técnicas de compra para fundos QDII

Regras de negociação e técnicas de compra para fundos QDII

Os fundos QDII diversificam os ativos no exterior e reduzem o risco. As negociações são baseadas no NAV nos dias de negociação. Investimentos regulares e ajustados otimizam os retornos.

2024-07-19